terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Agradecimentos.



        No dia 04, Jéssica Carvalho, aluna do curso de Licenciatura em Geografia do IFF campus Campos-Centro - também professora de História e Geografia do ensisno fundamental, superior, pesquisadora e especialista em História e cultura afro-brasileira e diretora de formação e cultura da UJS, União da Juventude Socialista, de Campos dos Goytacazes - postou em seu blog uma matéria sobre nós!
        Agradecemos imensamente pela solidariedade, imprescindível nos momentos de batalha, que vimos recebendo, não somente da Jéssica, mas também de vários outros alunos e servidores do Instituto como um todo.
        Que, no fim, prevaleça a democracia, e que o vestígio dessa guerra toda seja apenas esse rastro de amizade e solidariedade entre os campi. Afinal, não somos inimigos, e sim aliados. Estamos todos em busca da construção de uma educação de qualidade para assegurar um futuro melhor para nossos filhos e netos. Por que nos comportar como inimigos?
        Clique aqui para ler, na íntegra, a matéria de Jéssica.

Os Mequetrefes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário




"Obriga-o a compor a mentira alheia para a usar como se fosse a própria verdade. Permeiam a nossa obediência, castigam a nossa inteligência e desalentam a nossa energia criadora. Somos opinados, mas não podemos ser opinadores. Temos direito ao eco, não à voz, e os que mandam elogiam o nosso talento de papagaios. Nós dizemos não: nós negamo-nos a aceitar esta mediocridade como destino.
Nós dizemos não ao medo. Não ao medo de dizer, ao medo de fazer, ao medo de ser. O colonialismo visível proíbe dizer, proíbe fazer, proíbe ser. O colonialismo invisível, mais eficaz, convence-nos de que não se pode dizer, não se pode fazer, não se pode ser. E neste estado de coisas, nós dizemos não à neutralidade da palavra humana. Dizemos não aos que nos convidam a lavar as mãos perante as quotidianas crucificações que ocorrem ao nosso redor. À aborrecida fascinação de uma arte fria, indiferente, contempladora do espelho, preferimos uma arte quente, que celebra a aventura humana no mundo e nela participa, uma arte irremediavelmente apaixonada e briguenta."

GALEANO, Eduardo, Nós Dizemos Não, Editora Revan, Brasil, 1990.